Quanto custa ser honesto no Brasil?

Uma boa pergunta para um momento tão caótico e crítico que estamos vivendo neste país tropical de uma excelência natural extraordinária, por outro lado mergulhado na lama da vergonha mundial por causa do vulcão em erupção chamado corrupção.

Oportuna matéria para um começo de ano que ouve os gritos e as lamúrias de um povo que não sabe mais o que fazer para mudar esse quadro. Quase todos os meses de 2017 foram conturbados em nosso país. Em toda minha existência nunca ouvi dizer que a própria lei que deveria prender, hoje está atrás das grades, governadores que construíram prisões de segurança máxima para bandidos de alta periculosidade, hoje, fazem parte do encarceramento que eles mesmos construíram. Resta saber quanto vale um brasileiro ser honesto nesse país comandado por tantas raposas famintas?

Em épocas passadas ser honesto era questão de honra. No Nordeste; por exemplo, a honestidade do cidadão era medida pelo tamanho do bigode que ele possuía. Quanto maior fosse o bigode do cidadão, mas era respeitado como cidadão honesto e isto era uma lei perante o povo do lugar. O país vivia uma época de ouro; o salário mínimo dava para alimentar a família, dar educação aos filhos. A justiça para ser boa tinha que começar em casa e isto também era uma lei nos meios públicos.

Nos tempos atuais há quem pergunte se vale a pena ser honesto diante de tantas atrocidades e assaltos à mão desarmada nos meios governamentais. A bandalheira anda desenfreada e a fome dos gatunos está insaciável. Estamos à deriva nesse país de encantos mil. O que nos resta é esperar que passamos a enxergar alguma luz no fim do túnel já que dizem que a esperança é a última que morre. É bem verdade que está claro que estamos passando por um período de mudança na política brasileira. Já vimos estas cenas desagradáveis no antepassado de outros países que hoje são considerados potência mundial em desenvolvimento e cultura.

O problema do Brasil, posso afirmar com toda veemência é a total falta de cultura. No dia que tivermos este item como prioridade nem que seja à dura pena, de fato podemos afirmar que estamos enxergando uma luz no fim do túnel.

Na verdade, vivemos uma zona de conforto errônea desde muito tempo e posso afirmar que não há outra forma de pôr a locomotiva nos trilhos sem descarrilhar alguns vagões. Ganhar fácil sem ter o mínimo esforço está no DNA de cada um vivente deste país e se continuarmos nesse patamar, a quarta geração do porvir já está com o sangue contaminado. A mãe é gentil demais e tem mãos largas para dar de bandeja para os filhos deste solo. A contaminação destrói qualquer vontade de progresso, produzindo uma mente atrofiada que se contenta a viver igual à parasitas, sugando a última gota do leite materno desta matriarca que não consegue enxergar dois palmos diante do nariz.

Um certo cidadão, contaminado com esta mazela, após receber qualquer esmola do berço em que nasceu pelo fato de ter perdido o emprego, este cidadão, corroído e febril por esta doença, não o deixa querer mais hastear a bandeira do próprio progresso e suga das tetas todo o leite mesmo sabendo que é uma fonte esgotável. Imagino, caro leitor, se esta fonte fosse inesgotável e jorrasse este leite materno até o dia em este cidadão conseguisse por vontade própria andar com as suas próprias pernas. A cultura escassa o levará a viver eternamente em berço esplêndido sem ter a mínima preocupação de levantar para ao menos beber um copo d’água.

Na política brasileira afirmo, que enquanto este país for comandado por brasileiros, sem antes tomar forçadamente a pílula da vergonha na cara, vamos continuar vivendo mergulhado neste mar de dejetos até sermos forçados a pôr em nossa frente um enorme espelho refletindo a nossa própria imagem, mostrando que estamos doentes e o lançar da nova semente da consciência sã do progresso e do desenvolvimento tem que partir de cada um de nós.

No meu olhar crítico acredito que já estamos nos impulsionando a dar os primeiros passos para o desenvolvimento. Este filme já foi visto em outras épocas. A zona de conforto errônea de políticos que se apropriam indebitamente dos cofres públicos está aos poucos se desmoronando assim como a torre de Babel e outros exemplos que a própria história nos dá como lição. Imagino o futuro deste país com a riqueza que guarda nos seus baús naturais e com o pensamento de desenvolvimento e apotegma de igualdade, um Brasil fazendo jus ao respeito por cada frase exposta na flâmula, um Brasil que o povo tenha orgulho de se curvar diante da majestosa mãe gentil, um Brasil que tenha altanaria de abraçar os filhos deste solo e acredito que o povo o não foge à luta e está acordando para a realidade, esmagando cada serpente do covil e espantando a alcateia faminta que vem massacrando a grande massa para ostentar um minoria mal acostumada desde os tempos de outrora. Acredito que este país vai comportar leis duras para os gatunos dos nossos cofres, não dando cobertura infringindo o que reza a nossa constituição, e sim, fazendo valer cada linha daquelas laudas, mostrando para o erro que para ter progresso precisa em primeiro lugar ter a ordem como carro chefe. Acredito sim, que no dia que a lei agir como manda a lei, vamos começar a enxergar uma luz no fim do túnel e vamos ter o prazer de ver o raiar de um novo sol, abrindo nossas asas, de braços aberto para a liberdade de todos e cada cidadão brasileiro será uma pedra preciosa muito valiosa aos olhos de toda humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *