O neofeminismo, a atrofia contemporânea do feminismo

Infelizmente temos que reafirmar o óbvio, todos os dias.

Então, vamos lá: qualquer forma de agressão física deve ser condenada e a violência sexual, particularmente, é um horror.

Considerando o que foi acima afirmado, concluímos que os que cometem abusos dessa natureza devem ser punidos com o rigor da lei.

Mas, para que isso ocorra, os agressores precisam ser denunciados. É necessária a abertura de um inquérito, indiciamento, logo a denúncia e por fim um julgamento — que pode levar à condenação ou absolvição do réu.

A certeza da impunidade é a maior causa da insegurança pública. Sem denúncia, os criminosos, que tem nome e sobrenome, continuarão a delinquir.

Ao optar por não fazer a acusação individual do motorista alegadamente violador, ao se recusar a prestar exame de corpo de delito e produzir boletim de ocorrência, a blogueira Clara Averbuck prefere escrever textão em rede social — uma acusação genérica que denuncia todos os homens do planeta.

De acordo com a publicação, eu estuprei a escritora. Você, cara amiga que lê isso, tem algum filho? Ele também estuprou a Clara.

Como escreveu João Pereira Coutinho, ‘o pensamento politicamente correto não trata os indivíduos como indivíduos. Prefere a atitude totalitária de os tratar em rebanho, removendo-lhes a identidade — e a responsabilidade’.

O neofeminismo — essa atrofia contemporânea do feminismo – é uma desgraça.

________________________________________________________________
Notas:
1 – No Rio de Janeiro, de acordo com a Polícia Civil, para denunciar esse tipo de crime, qualquer pessoa pode entrar em contato com a Central de Atendimento ao Cidadão pelos telefones (21) 23348823 e (21) 23348835, pelo chat no site https://cacpcerj.pcivil.rj.gov.br/ ou ainda, pelo Disque Denúncia, através do número 22531177.
Em qualquer lugar do país pode-se entrar em contato com a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, através do telefone 180, um serviço de utilidade pública gratuito e confidencial, oferecido pela Secretaria de Políticas para as Mulheres.

2 – Reportagem ZH Gente – https://goo.gl/jfVxXN

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *